Receita Federal confirma visita de secretário do Fisco a Flávio Bolsonaro

Encontro solicitado pelo senador

Advogada caso Queiroz participou

A Receita Federal informou à Câmara dos Deputados que o secretário especial do Fisco, José Barroso Tostes Neto, participou de uma reunião na casa do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). O encontro foi solicitado pelo congressista e contou com a participação da advogada Luciana Pires, que defende Flávio no caso Queiroz.

A informação consta em resposta da Receita a requerimento feito pela deputada Natália Bonavides (PT-RN), que questionou o Fisco sobre as reuniões de Tostes Neto com a defesa de Flávio. Eis a íntegra (3 MB).

Em 2020, o senador suspeitou de consultas irregulares da Receita aos seus dados pessoais e pediu apuração para o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) e a Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

Essa é uma das estratégias da defesa para sepultar as investigações do Caso Queiroz. Mas, de acordo com seus advogados, a solicitação foi negada.

 

 

À Câmara, a Receita confirmou que Tostes Neto se reuniu 3 vezes com o senador: em 26 de agosto, 4 de setembro e 17 de setembro de 2020. Este último encontro teria sido na residência do filho do presidente a pedido do congressista.

As pautas das reuniões dizem respeito à situação fiscal de pessoas físicas e jurídicas relacionadas ao senador Flávio Nantes Bolsonaro, na condição de sujeito passivo de obrigação tributária, bem como a notícias sobre suposta atuação irregular de servidores da Receita Federal no exercício de suas atividades funcionais“, informa a Receita.

Reportagem publicada na Folha de S.Paulo nesta 4ª feira (2.jun) afirma que a Receita Federal rastreou as investigações fiscais feitas contra o presidente Jair Bolsonaro e integrantes de sua família, incluindo Flávio, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

De acordo com o jornal, as investigações começaram depois de um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro ao Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados), em setembro do ano passado. Essa apuração custou R$ 490,5 mil à Receita Federal.

Compartilhar:
×