Governo marca leilão de depósitos de cobre e fosfato

Oferta será na 5ª feira (10.jun)

Edital foi analisado pelo TCU

O governo Federal vai leiloar os depósitos Bom Jardim (GO), de cobre, e o Miriri, de fosfato, localizado entre a Paraíba e Pernambuco. As ofertas serão realizadas na 5ª feira (10.jun.2020).

A cessão dos direitos minerários é feita pelo Ministério de Minas e Energia. A licitação funcionará por meio da maior oferta de preço. No depósito de cobre de Bom Jardim, o bônus de assinatura será de no mínimo R$ 2 milhões.

Para o projeto de Miriri, o bônus de assinatura terá o valor mínimo de R$ 30.000. Caso o projeto seja viável para a produção de fosfato, o edital estabelece o pagamento de um bônus de oportunidade de R$ 2,6 milhões.

Além disso, os royalties cobrados sobre a exploração mineral serão de 1% sobre a receita operacional bruta.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, a expectativa de arrecadação anual em impostos é superior a R$ 7 milhões. A Pasta também calcula a criação de mais de 2.000 vagas de empregos diretos e indiretos.

 

 

O depósito de cobre de Bom Jardim tem 1.000 hectares e 12,3 milhões de toneladas de minério. Em Miriri a área é de 6.112 hectares, com 115 milhões de toneladas de minério de fosfato.

A oferta dos minérios em Bom Jardim passou por análise do TCU (Tribunal de Contas da União) em novembro de 2020. Os estudos sobre a área começaram em 2018. Em Miriri, a análise do TCU aconteceu em outubro de 2020.

Produção

Segundo dados do Ministério de Minas e Energia, a produção de cobre no Brasil é concentrada em 4 companhias: Salobo Metais S.A (56,9%), Mineração Paragominas S.A (16,7%), Vale S.A (14,6%) e Mineração Caraíba S.A (10,7%).

Sobre a rocha fosfática, os estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo representam 88% das reservas no país. Somente Minas Gerais tem 68% desse total.

O Ministério de Minas e Energia diz acreditar que existam mais depósitos no país com a possibilidade de reserva de fosfato.

Compartilhar:
×