Facebook brinca de avestruz e esconde o fracasso da empresa no combate às fake news

Brasil é caso de sucesso

Equipes locais são trunfo

Rússia lidera os ataques

Facebook tem se empenhado em brecar o fluxo de notícias mentirosas que circulam por essa rede social. O banimento do ex-presidente Donald Trump da rede é o emblema mais vistoso dessa mudança de comportamento. Mark Zuckerberg, finalmente, reconheceu que ataques à democracia e discursos de ódio não fazem parte do ferramental que caracteriza liberdade de expressão. Era esse lenga-lenga que ele adotava quando lhe cobravam que o Facebook tinha a obrigação de banir atitudes que eram proibidas pelas próprias regras da plataforma. É por tudo isso que soa como história da carochinha o relatório sobre a política de segurança divulgado pelo Facebook na última quarta-feira. Parece uma fábula da época da guerra fria, no qual a Rússia, Irã e China fazem o papel de vilões, como se estivéssemos num velho filme do 007. Pior para o Facebook, porque a realidade é milhões de vezes pior do que essa peça de ficção ordinária que a companhia quer contar.

O relatório tem um nome anódino (“Threat report. The State of Influence Operations 2017-2021) para o período mais turbulento da história do Facebook. Eis a íntegra do relatório (809 Kb).

Esses 5 anos contemplam as mentiras seriais de Trump, a interferência russa nas eleições dos EUA em 2016 (investigada a partir de 2017), o uso das fake news por Jair Bolsonaro na eleição de 2018, a tentativa russa de influenciar o resultado de votações no Reino Unido, o incitamento de genocídio em Myanmar, que resultou em 25 mil mortes de muçulmanos, e um grande etc.

O documento diz que desde 2017 a equipe de segurança do Facebook removeu 150 operações que violavam a política da empresa contra Comportamento Inautêntico Coordenado (CIB, em inglês, acrônimo de Coordinated Inauthentic Behavior). Rússia, Irã, Myanmar, Estados Unidos e Ucrânia, nessa ordem, são os países que tem mais redes disseminando notícias fraudulentas ou ataques. Não há uma explicação clara sobre o método que o Facebook usou para chegar a esse ranking.

O título anódino é seguido por um conteúdo que prima pela omissão ou por tratar com ligeireza de um relatório de administração os casos mais polêmicos, entre os quais um genocídio que a própria empresa reconheceu ter culpa no cartório. O caso de Trump, talvez o maior escândalo do uso de rede social com fake news, é citado numa nota de rodapé sobre o banimento de adolescentes republicanos que disseminavam notícias falsas. O nome do ex-presidente é citado duas vezes. O Brasil aparece apenas uma vez, colocado num balaio junto com EUA, Reino Unido, Índia, Moldávia e Honduras. Não há nada em comum entre esses países, mas o Facebook resolveu juntá-los num suposto caso de sucesso, já que os conteúdos foram controlados por equipes locais, que conhecem a língua, os costumes e os atores políticos envolvidos nas disputas.

 

 

Um trecho do relatório elogia a política do Facebook para o Brasil e os outros país: “Cerca da metade das operações de influência que removemos desde 2017 _incluindo Moldávia, Honduras, Romênia, Reino Unido, Estados Unidos, Brasil e Índia_ foi conduzida por locais que são familiares com questões domésticas e com a audiência. São campanhas políticas, partidos e empresas privadas que empregam táticas enganosas para atingir seus objetivos”. Isso é tudo que o diretor de políticas de segurança tem a dizer sobre o país que é o quarto país que mais usuários têm do Facebook.

Só dá para entender o orgulho do Facebook de ter “equipes locais” se você conhecer o outro lado da política da empresa. Não há um percentual exato, mas ex-funcionários do Facebook relatam histórias que parecem de que casos extremamente complexos de disputa são moderados por funcionários que não sabem a língua local. Eles fazem o que qualquer estudante mais preguiçoso faria: usam o Google Translator. Isso ocorreu no caso do Azerbaijão, segundo a cientista de dados Sophie Zang, um ex-funcionária do Facebook que acusa a empresa de ser complacente com fake news e perfis falsos ligados a políticas de direita ou extrema direita. O uso do Google Translator parece piada quando se sabe que o Facebook é a sexta empresa mais valiosa do mundo no mercado de capitais (US$ 870,5 bilhões.

O caso mais inacreditável de omissão parece ser o das eleições americanas. Steve Bannon, o marqueteiro de Trump que tentou criar uma internacional da extrema direita e fracassou, foi um dos impulsionadores do slogan Stop the Steal (Pare o Roubo), uma alusão à suposta manipulação dos resultados na disputa. Foram feitas recontagens em mais de 20 Estados, mas estava tudo certo; não havia roubo algum; Trump perdeu as eleições mesmo. Pesquisa do instituto Ipsos feita em abril desrte ano diz que 55% dos Republicanos acreditam que Trump perdeu porque a eleição foi roubada. Mesmo com esse percentual alto, o Facebook diz que não incluiu o caso do Stop the Steal no relatório porque não foi um fenômeno massivo.

O Facebook parecia ter mudado após o banimento de Trump. Durante anos a empresa se beneficiou da audiência que Trump, Bolsonaro e outros populistas geram para a companhia. Reduzir o Stop the Steal a um burburinho mostra que Zuckerberg continua o mesmo empresário arrogante que só entende a linguagem do dinheiro. A empresa só passou a punir mentirosos porque o mercado ameaç

ou com um boicote publicitário de proporções bíblicas. Não é que a empresa tolera fraudes; ela própria produz mentiras, como o relatório de segurança de maio de 2021.

Compartilhar:
×