“Não haverá esforço para vacinar atletas”, diz Queiroga sobre Copa América

Foco será em testagem

Testes a cada 48 horas

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta 2ª feira (7.jun.2021) que os jogadores da Copa América não serão obrigados a se vacinar contra a covid-19 para participar da disputa. Em entrevista à imprensa na sede do ministério, Queiroga declarou ainda que a competição não é de “grande dimensão” e que “não há nenhum óbice legal ou sanitário” para que evento não seja realizado no Brasil.

Não é uma imposição a questão da vacina. Os que estiverem vacinados melhor, mas não se fará esforço maior para vacinar esses atletas agora, até porque vacina poderia até causar algum tipo de reação e isso poderia de alguma forma comprometer o ritmo competitivo dos jogadores“, afirmou.

O ministro citou que em outros campeonatos em andamento, como as eliminatórias da Copa do Mundo, Copa Sul-americano, Libertadores e Campeonato Brasileiro, ocorrem sem a exigência de vacinas dos atletas. “Exigir-se a vacinação ou vacinar os atletas nesse momento, eles não teriam uma imunidade até o início da competição“, disse.

A testagem dos atletas deverá ser feita a cada 48 horas com o teste RT-PCR. Queiroga disse que cerca de 650 pessoas estarão envolvidas no início do tornei com as 10 seleções, entre jogadores e comissão técnica. “Depois, na fase final, com 4 times, serão 260 pessoas [envolvidas]. Não é um campeonato de grande dimensão”, declarou.

 

 

Todos os jogos serão realizados sem a presença de público. É um ambiente sanitário controlado e monitorado pelas autoridades sanitárias dos Estados e municípios onde a competição será realizada”, afirmou.

Segundo André Pedrinelle, coordenador operacional da Copa América, cada cidade sede do torneio terá um médico que cuidará dos testes em cumprimento das normas sanitárias.

“[Esse médico] trabalhará especificamente com o controle, manejo dos resultados e o gerenciamento da coleta do RT-PCR e outras medidas sanitárias”, disse Pedrinelli.

Compartilhar:
×