Livro sobre ‘capitalismo de vigilância’ acusa big techs de roubo e receita mais leis

Obra sai agora no Brasil

Conceito define uma época

Leis europeias são modelo

 

Capitalismo de vigilância” é um daqueles conceitos que, por mais controverso que seja, define uma época: a de desencanto com os rumos que a internet tomou na mão das big techs, da decepção com o que se imaginava ser um novo mundo de compartilhamento, do sentimento de traição quando se lembra que as empresas que se vendiam como as mais revolucionárias eram corporações que queriam lucrar. Oh, céus, quanta ingenuidade havia, mas sonho é sempre assim.

 

“A Era do Capitalismo de Vigilância”, livro lançado na última semana no Brasil pela editora Intrínseca (tradução de George Schlesinger, 800 págs., preço sugerido de R$ 99,90), foi a obra que conseguiu essa façanha. Similar, mas em escala infinitamente menor, àquela do escritor inglês George Orwell com “big brother” em “1984”. Soshana Zuboff, a filósofa norte-americana, professora da Harvard Business School e autora do livro, nem foi a criadora do conceito, que circula desde os anos 1970 em círculos da esquerda europeia. Mas ela conseguiu captar o mal estar que as big techs injetaram no mundo ao criar um modelo de negócio baseado na captura de dados privados para serem usados em mercados futuros. Zuboff chama esse processo de “roubo” e se espanta com a mudança súbita que ocorreu nos Estados Unidos em torno da privacidade.

 

Os americanos sempre foram contra a adoção de um documento único de identidade por acreditarem que isso facilitaria a vigilância por parte do governo. Mas aceitaram como cordeirinhos que empresas como o Google e Facebook pilhassem milhares de dados pessoais sem dizer um “a” (os que diziam eram ridicularizados como paranoicos atrasados). Zuboff evoca o cenário histórico para explicar essa mudança. O liberalismo vale tudo dos anos Reagan destruíram as ferramentas de supervisão do Estado sobre as companhias.

 

Os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 elevaram à Lua a preocupação dos americanos com segurança, e as ameaças reduziram a resistência em torno da privacidade, segundo ela. A tecnologia de subtração de dados fez o resto.

 

O Google foi a primeira empresa a perceber que o público tinha trocado o cão de guarda pela ternura e pelo comportamento bovino ao gerenciar os seus dados pessoais, escreve Zuboff. Aproveitou que havia um espírito de colaboração dos usuários da primeira fase da internet na construção de ferramentas de busca (e havia mesmo muita colaboração espontânea). Como todos pareciam em “entorpecimento psíquico”, como diz Zuboff, o Google começou a usar os dados pessoais para vender publicidade e direcionar anúncios. Foi assim que a empresa se tornou a maior agência de publicidade do mundo.

 

A professora de Harvard reescreve a ideia de que “você é o produto” quando alguém oferece algo gratuito, disseminada por Jaron Lanier, autor de “Dez Argumentos Para Você Deletar Agora Suas Redes Sociais”. Diz Zuboff: “Esqueça o clichê de que, se for de graça, ‘você é o produto’. Você não é o produto; você é o cadáver abandonado. O ‘produto’ é derivado do excedente que é tirado da sua vida”.

 

O grau de violência da frase revela a frustração da pesquisadora com Amazon, Apple, Facebook, Google & cia, como ocorre com os recém-convertidos. Zuboff elogiava essas empresas até 2009. Ela dizia que corporações como Apple, eBay e Amazon estavam “liberando grandes quantias de valor ao oferecer às pessoas o que elas queriam em seus próprios termos e em seu próprio espaço”.

 

A crítica europeia ao vale tudo das big terchs americanas parece ter sido essencial para Zuboff mudar de posição em relação às big techs. A autora lembra de uma das promessas que existiam na virada dos anos 2000, que poderiam estar no mercado, mas foram desvirtuadas porque o mercado preferiu o dinheiro fácil das redes sociais em vez de investimentos em pesquisa. Nessa época, conta ela no livro, o projeto Aware Home, do Instituto de Tecnologia do Estado da Geórgia, já falava em “casa inteligente” e “internet das coisas”, que só seriam desenvolvidas posteriormente. O resultado desses estudos, diz ela, seria “um futuro digital para empoderar os indivíduos a fim de levar uma vida mais eficaz”. Em vez disso, o mundo da internet foi soterrado por fake news, teorias conspiratórias, confrontos criados por algoritmos, enfim, o oposto do mundo ensolarado que se imaginava nos anos 1990.

 

Zuboff propõe medidas práticas, algumas baseadas em experiências europeias. Defende uma lei do esquecimento, não para retirar da rede fatos reais que incomodam as pessoas, mas para banir notícias falsas e equívocos. Propõe também que haja mais pressão de movimentos sociais para tornar a democracia mais permeável para as pessoas comuns. E defende ferrenhamente a regulamentação das big techs. Tudo o que aconteceu nos Estados Unidos, segundo ela, foi resultado da falta de leis. Os congressistas americanos parecem concordar com a pesquisadora. Há uma avalanche de projetos de lei para regulamentar as big techs desde que o livro foi lançado nos Estados Unidos, em 2019. Antes tarde do nunca.

Compartilhar:
×