Parlamento israelense aprova nova coalizão; Netanyahu deixa de ser premiê

A aliança de Naftali Bennett e Yair Lapid encerra o período de 12 anos de Netanyahu no poder

O Knesset, parlamento israelense, deu um voto de confiança neste domingo (13.jun.2021) a uma nova coalizão de governo e derrubou o atual premiê Benjamin Netanyahu do cargo, depois de 12 anos consecutivos.

A aliança formada pelo direitista Naftali Bennett, chefe do bloco Yamina, e Yair Lapid, líder do partido centrista Yesh Atid, conta com 8 partidos de diferentes espectros ideológicos.

Como parte do acordo, Bennett e Lapid concordaram em dividir o poder de forma rotativa. Primeiro, Naftali Bennett irá assumir como primeiro-ministro e ficará no cargo até metade do mandato de 4 anos. No tempo restante, Yair Lapid atuará como premiê. Foram 60 votos a favor e 59 contra, a menor maioria possível para a formação de um novo governo.

“Estou orgulhoso de poder sentar junto com pessoas com pontos de vista muito diferentes dos meus”, disse Bennett em discurso ao parlamento.

A nova coalizão conta com o apoio do partido árabe Ra’am marcando, a 1ª vez que o governo israelense terá um partido árabe no poder.

Naftali Bennett prometeu que a aliança “representa todo Israel” e afirmou que o governo abriria um novo capítulo na relação entre o Estado e os cidadãos árabes de Israel.

 

 

A decisão deste domingo põe fim ao impasse político que fez com que Israel tivesse 4 eleições em 2 anos. Benjamin Netanyahu agora será líder da oposição e ainda terá um papel expressivo na política israelense.

Seu partido, o Likud, foi o que obteve o maior número de cadeiras no parlamento nas últimas eleições, com 30 assentos. Apesar de ter conquistado o maior número de cadeiras, Benjamin Netanyahu falhou em formar um acordo de coalizão. Para ser primeiro-ministro, é necessário ter a maioria das 120 cadeiras do Knesset.

Netanyahu permaneceu por 12 anos consecutivos no cargo de primeiro-ministro. Ele enfrenta acusações de corrupção na justiça, e pode ser condenado a até 10 anos de prisão. No entanto, nega as acusações e sustenta que há uma “caça às bruxas” para persegui-lo.

Benjamin Netanyahu disse que continuará a defender os interesses de Israel. “Eu os liderarei em uma batalha diária contra este governo de esquerda ruim e perigoso, e o derrubarei. E, com a ajuda de Deus, isso vai acontecer mais rápido do que se pensa”, afirmou.

Apesar do tom, Netanyahu apertou a mão de Naftali Bennett ao final da votação. Ele também tem defendido uma transição pacífica de poder.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×