Brasil cai para China, segunda derrota do vôlei na Liga das Nações

Nesta terça-feira (8), a seleção brasileira feminina de vôlei perdeu para a China por 3 sets a 2 (18/25), (25/22), (25/20), (14/25) e (15/12) no fechamento da terceira semana da Liga das Nações disputada em Rimini na Itália.

O resultado quebrou uma sequência de cinco vitórias da equipe verde e amarela.

Últimas Notícias

“Foi um grande jogo. Tivemos bons momentos, mas a China foi melhor e mereceu a vitória. Vamos estudar essa partida e ver onde podemos melhorar. A Liga das Nações é um campeonato longo e testes como esse são importantes para a nossa evolução. Agora é seguir treinando e pensar nos próximos adversários”, afirmou Tandara, maior pontuadora da seleção brasileira, com 26 pontos, 10 deles no primeiro set.

Além da oposta, Gabi e Carol Gattaz marcaram 19 vezes cada.

Até o momento, o Brasil tem sete vitórias em nove partidas, e 22 pontos somados.

Essa campanha deixou a equipe do técnico Zé Roberto Guimarães na terceira colocação da competição.

O time volta a jogar no sábado (12). O adversário será a Polônia, às 16h (de Brasília).

Na sequência, os adversários serão Alemanha e Tailândia.

Na quarta-feira (09), o torneio masculino será retomado, com o Brasil encarando a Holanda, às 16h (de Brasília).

Bulgária e Polônia são os outros adversários desta rodada.

Compartilhar:

Manifesto contra a Copa América tem Neymar, Casemiro e Maquinhos como cabeças

O texto do manifesto dos jogadores da seleção brasileira começou a nascer de reuniões entre todos os 24 convocados por Tite.

Integrantes da comissão técnica também participaram. Mas a definição das palavras a serem usadas e da mensagem exata ficou a cargo dos jogadores considerados líderes do elenco, como Neymar, Casemiro e Marquinhos.

Desde a semana passada, os atletas tentam definir o que dizer sobre o descontentamento geral com a realização da Copa América no país e o relacionamento com o presidente da CBF, Rogério Caboclo.

O afastamento dele, no último domingo (6), tornou tudo mais fácil.

Últimas notícias

Após a partida desta terça (8), contra o Paraguai, eles querem demonstrar o sentimento do grupo sobre a disputa do torneio no país, depois da desistência de Argentina e Colômbia.

A ideia apresentada é fazer críticas à Conmebol, à CBF e à forma como foi conduzido o processo de escolha do Brasil como sede, às pressas e sem conversas com os atletas.

Chegou a ser ensaiado um movimento de boicote à competição, mas isso apenas aconteceria se os brasileiros conseguissem a adesão das outras nove seleções envolvidas. Isso não aconteceu.

Apesar de críticas individuais, como as feitas por Sergio Aguero (Argentina) e Luis Suárez (Uruguai), a avaliação foi que não havia um apoio abrangente para tomar medida tão drástica.

O pensamento é apresentar um manifesto que diga que o grupo está descontente e deseja deixar isso claro.

O pensamento é de expor o descontentamento com a divulgação do manifesto, mas jogar a Copa América, mesmo que a contragosto.

Até a tarde desta hoje (8), não havia nenhuma intenção de politizar o assunto com protestos contra o governo federal. Tite atuou para garantir essa isenção.

O incômodo dos jogadores apenas cresceu desde a apresentação para as partidas das Eliminatórias para a Copa do Mundo, contra o Equador e Paraguai.

Em reunião com Caboclo no início da semana passada, antes de viagem a Porto Alegre, o grupo, com as bênçãos do treinador, cobrou o dirigente sobre falta de diálogo, a realização da Copa América um ano antes do Mundial e o que consideraram desorganização na preparação da seleção.

A reação do presidente foi a pior possível, na visão do elenco.

Reagiu como se os jogadores fossem subordinados que deveriam obedecer às ordens dos dirigentes.

Tudo ficou pior ainda na última quinta-feira (3), quando Casemiro deveria conceder entrevista ao lado de Tite na véspera do jogo.

Caboclo proibiu o volante brasileiro de falar com a imprensa e exigiu uma reunião a sós com ele.

Nervoso, Casemiro não foi ao encontro dos jornalistas, mas não aceitou a conversa particular com o mandatário da CBF por considerar que ele estava alterado. Para os jogadores, foi a gota d’água.

A pedido de Tite e por lealdade ao treinador, os atletas prometeram se pronunciar apenas após a partida contra o Paraguai.

Depois do episódio com Casemiro, aconteceram novas conversas gerais do grupo e também dos mais experientes para ajustar o que dizer.

Compartilhar:

Brasil vence o Paraguai por 2 a 0 e dispara na liderança das eliminatórias

A seleção brasileira masculina principal manteve seus 100% de aproveitamento nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Qatar ao vencer o Paraguai nesta terça-feira (8), por 2 a 0, no estádio Defensores del Chaco.
Foi a sexta vitória em seis partidas, com 18 pontos somados e uma situação que já é muito confortável na classificação para 2022, com seis pontos a mais que a vice-líder Argentina na tabela.
Também é o fim de um tabu de 35 anos sem vitórias brasileiras no Paraguai -foram quatro jogos desde então.
Os gols que encerraram essa marca negativa foram marcados por Neymar logo no começo do jogo, o que o transformou em um dos maiores goleadores da história da seleção em Eliminatórias, e Lucas Paquetá já nos acréscimos do segundo tempo.
Passada a rodada dupla de Eliminatórias, as duas seleções iniciam a preparação para a Copa América que começa em cinco dias em território brasileiro.
Pelo Grupo A, o Paraguai enfrenta a Bolívia na próxima segunda-feira (14), no estádio Olímpico de Goiânia. Já o Brasil, que está no Grupo B, entra em campo um dia antes, às 18h, contra a Venezuela, no Mané Garrincha, em Brasília.

PARAGUAI
Antony Silva; Robert Rojas (Alberto Espíndola), Gustavo Gómez, Junior Alonso, Alderete e Arzamendia; Gastón Giménez (Avalos), Ángel Cardozo (Bareiro) e Villasanti (Óscar Romero); Almirón e Ángel Romero (Samudio). T.: Eduardo Berizzo

BRASIL
Ederson; Danilo, Éder Militão, Marquinhos e Alex Sandro; Casemiro, Fred (Lucas Paquetá) e Roberto Firmino (Douglas Luiz); Gabriel Jesus (Gabigol), Richarlison (Éverton Cebolinha) e Neymar. T.: Tite

Estádio: Defensores del Chaco, em Assunção (PAR)
Árbitro: Patricio Loustau (ARG)
Assistentes: Ezequiel Brailovsky e Gabriel Chade (ARG)
Quarto árbitro: Dario Herrera (ARG)
VAR: Mauro Vigliano (ARG)
Cartões amarelos: Gustavo Gómez, Ángel Cardozo, Bareiro, Junior Alonso e Alderete (PAR); Fred e Gabriel Jesus (BRA)
Gols: Neymar (BRA), aos 3/1ºT; Lucas Paquetá (BRA), aos 47/2ºT

Compartilhar:

São Paulo 9 x 1 04 de Julho-PI – Tricolor aplica maior goleda da Copa do Brail e avança

São Paulo, SP, 08 (AFI) – Pelo resultado pode não parecer, mas o São Paulo levou um susto nos segundos iniciais. Só que reagiu rapidamente e garantiu a classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil com goleada avassaladora por 9 a 1 sobre o 4 de Julho, nesta terça-feira, no estádio do Morumbi. Pablo, três vezes, Luciano, duas, Gabriel Sara, Rigoni, Bruno Alves e Chico Bala (contra) marcaram os gols da vitória. Agora a equipe paulista aguarda o sorteio da próxima fase para conhecer o adversário.

Depois de perder a partida de ida por 3 a 2, o São Paulo chegou para o duelo decisivo com um time bastante ofensivo. Crespo tirou o volante Igor Vinicius e mandou a campo o trio de ataque formado por Eder, Pablo e Luciano. Outra novidade foi Rigoni atuando como ala pelo lado direito.

PRIMEIRO TEMPO
Mas, antes de ir ao ataque, o árbitro nem bem tinha apitado o início da partida e o 4 de Julho roubou a bola, foi à frente e abriu o marcador antes dos 30 segundos iniciais. O atacante Dudu Beberibe avançou e tocou na saída de Volpi. Torcedor assumido do São Paulo, o jogador do time piauiense chorou na comemoração.

Antes da partida, ele brincou que toda sua família ficaria com inveja, pois teria a oportunidade de conhecer o Morumbi.

São Paulo faz 9 a 1 no 04 de Julho-PI e avança na Copa do Brasil

São Paulo faz 9 a 1 no 04 de Julho-PI e avança na Copa do Brasil

O São Paulo parecia perdido nos minutos seguintes, ainda viu o 4 de Julho criar outra boa chance de gol. Só então reagiu.

O caminho para a virada começou pelo alto. Após cobrança de escanteio, Luciano apareceu livre na segunda trave para deixar tudo igual.

O 4 de Julho sentiu a pressão e o time anfitrião virou minutos depois. Nestor deu belo passe para Luciano, que desviou para o meio da área e Pablo fez o segundo. Atordoado, os visitantes ficaram só observando Rigoni avançar pela direita e Sara cabecear para as redes.

SEGUNDO TEMPO
Com a vantagem no marcador, Crespo recuou o São Paulo na volta do intervalo com Igor Vinicius na vaga de Eder. Mas mesmo assim os donos da casa continuaram superiores. O 4 de Julho não tinh

a muito poder de reação e só assustou o gol de Volpi por uma vez em chute de fora da área de Pica-Pau.

O São Paulo mandava no jogo, trocava passes e explorava especialmente as jogadas pelas laterais do campo. Pela esquerda, Gabriel Sara só rolou para o meio da área. Pablo dominou, girou na pequena área e mandou para as redes. O São Paulo continuou apertando a saída de bola do adversário. Rigoni roubou de Vitor Recife, chutou rasteiro e contou com desvio para enganar o goleiro Jaílson: 5 a 1.

Com o passeio tricolor, foi a vez de os zagueiros irem ao ataque para também deixarem o seu. Bruno Alves apareceu no meio da área para mandar de cabeça para as redes. O sétimo veio de uma infelicidade do zagueiro Chico Bala, que tentou cortar cruzamento e mandou contra a própria meta.

O 4 de Julho já não aguentava mais fisicamente. Os jogadores nem bem conseguiam correr em campo. Com a superioridade técnica e também agora com ampla vantagem física, o time tricolor alcançou o oitavo gol com Pablo, o terceiro dele na partida. Luciano ainda fez o nono. O São Paulo poderia até ter feito mais, mas a soma dos placares das duas partidas ficou mesmo no 10 a 4 para a equipe do técnico Crespo.

Compartilhar:
×