Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera

O rio Paraguai vivencia a pior e mais longa seca da história no Pantanal com graves consequências para a fauna e flora, de acordo com a Sala de Crise do Pantanal. Em Mato Grosso do Sul o rio Paraguai está com os piores índices entre os rios monitorados, estando com 51 centímetros a menos que no mesmo período de 2020 em Porto Murtinho.

De acordo com o boletim elaborado pela Sala de Situação do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), a régua de Porto Murtinho marca 115 centímetros, sendo que no mesmo dia de 2020, marcava 166 centímetros, uma redução de 51 cm.

Na régua de Ladário a situação é ainda pior. Em 16/09/20 marcava 28 centímetros, enquanto na mesma data deste ano chega a -13 centímetros, redução de 41 cm. Fiscal Ambiental e coordenadora da Sala de Situação, Elisabeth Arndt explica que a última régua vai de zero a 100 centímetros, estando o rio abaixo do zero atualmente.

Dos seis rios do Estado monitorados pela Sala de Situação, apenas o rio Taquari está com níveis dentro do normal, enquanto os rios Piquiri, Aquidauana/Miranda, Aporé e Pardo estão com níveis de estiagem. A Sala de Situação publica boletins diários, para acessar basta clicar no link www.imasul.ms.gov.br/sala-de-situacao.

Titular da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), o secretário Jaime Verruck explica que as chuvas do verão passado foram abaixo do esperado, fazendo com que os rios entrassem no período de seca com níveis mais baixos que no ano passado. “Estamos vivenciando uma crise hídrica e o Governo do Estado tem se preocupado em monitorar os rios, como é feito diariamente na sala de situação do Imasul”.

De acordo com o Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), a chegada da primavera em 22 de setembro não deve ser suficiente para recompor os níveis dos rios. A previsão para os meses de outubro, novembro e dezembro é de chuvas dentro da média climatológica, variando entre 300 e 700 milímetros no Estado.

Em 2020, em grande parte dos municípios do Estado o acumulado de chuvas no trimestre ficou entre 100 e 300 mm. Exceto na região sul que os acumulados de chuva foram de 300 a 600 mm, e na região norte entre 100 e 200 mm.

Compartilhar:

Jacaré de quase 2m é capturado dentro de residência em MS

Policiais militares ambientais de Porto Murtinho realizaram a captura de um jacaré no perímetro urbano da cidade.

Uma moradora do bairro Jockey Club acionou a PMA ontem (16) no final da tarde, informando que o animal estava em um pequeno depósito no quintal de sua residência.

Uma equipe foi ao local e capturou o jacaré de quase dois metros com uso de cambão e o colocou em uma caixa de contenção. Como ele não apresentava ferimentos, a equipe realizou a soltura à margem do rio Paraguai, distante da cidade.

Compartilhar:

Jacaré de quase 2m é capturado dentro de residência em MS

Policiais militares ambientais de Porto Murtinho realizaram a captura de um jacaré no perímetro urbano da cidade.

Uma moradora do bairro Jockey Club acionou a PMA ontem (16) no final da tarde, informando que o animal estava em um pequeno depósito no quintal de sua residência.

Uma equipe foi ao local e capturou o jacaré de quase dois metros com uso de cambão e o colocou em uma caixa de contenção. Como ele não apresentava ferimentos, a equipe realizou a soltura à margem do rio Paraguai, distante da cidade.

Compartilhar:

Tubarão é visto passeando por praia de Balneário Camboriú

Um tubarão foi flagrado nadando perto das pedras do molhe da Barra Sul, em Balneário Camboriú (SC), nesta quinta-feira (16). Pescadores da região fizeram um vídeo do animal passeando pelas águas. Apesar de parecer assustador, especialistas alegam que é comum a ocorrência dessas espécies na costa catarinense.

“Este ano já recebemos a visita de diversos animais marinhos na nossa região que, por serem pouco avistados, chamam a atenção, tais como, baleias Jubarte, golfinhos-pintados do Atlântico, elefantes-marinhos, e outros. Quando localizados há todo um acompanhamento por técnicos. No caso deste tubarão ou cação, a equipe foi rapidamente acionada, mas o animal já havia nadado em direção ao alto mar e não foi mais avistado”, explica a secretária do Meio Ambiente de Balneário Camboriú, Maria Heloísa Lenzi.

A secretária ainda esclarece que ocorre um monitoramento permanente da enseada por equipes de biólogos e oceanógrafos que rapidamente se deslocam para os locais onde algum animal marinho de maior porte é avistado, fazendo o acompanhamento caso a caso.

Compartilhar:

Meteorologia prevê final de semana de bastante calor em Mato Grosso do Sul

O calor promete aumentar ao longo do final de semana em Mato Grosso do Sul. De acordo com o Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec) desta sexta-feira (03) a domingo (05). Em Dourados há probabilidade de pancadas de chuva no sábado e no domingo, não ultrapassando dos 8 mm devido a uma passagem de frente fria.

As temperaturas seguirão elevadas em todo o estado, podendo atingir até 38ºC na região pantaneira, 37ºC na região centro-norte, 39ºC na região leste, 35ºC na região sudoeste e em torno de 36°C na capital.

As mesmas condições devem se manter ao longo do feriado da independência do Brasil. De acordo com o Cemtec, a segunda-feira (06) e a terça-feira (07) serão de tempo estável em todas as áreas do Estado.

Compartilhar:

Ambiental resgata arara-canindé ferida no interior de residência

Uma moradora do bairro Austrillo Capilé Castro de Nova Andradina, cidade localizada na região do Vale do Ivinhema, acionou a Polícia Militar Ambiental de Batayporã, informando que uma ave silvestre da espécie Ara ararauna (Arara-canindé) aparecera no quintal da residência dela, com dificuldades de locomoção, aparentando estar ferida.

Os Policiais Militares Ambientais foram ao local e perceberam que a ave estava doente, porém, sem ferimentos aparentes. O animal foi capturado e encaminhado para atendimento por um médico veterinário voluntário em uma clínica na cidade de Nova Andradina, que sempre apoia a PMA nos casos de animais feridos.

Segundo o profissional, a ave aparenta problemas neurológicos, porém, somente depois de exames que estão sendo realizados, que se poderá determinar o problema. Logo que o veterinário trate a ave e a libere, ela será encaminhada ao Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) em Campo Grande, até ser reabilitado e devolvido ao seu habitat natural.

Compartilhar:

Prepare-se para o calor: Setembro terá temperaturas acima da média em MS

Setembro começa nesta quarta-feira (1º) com a previsão de aumentar as temperaturas em Mato Grosso do Sul. Meteorologistas apontam que será um mês com temperaturas acima da média, principalmente na região pantaneira. As chuvas ficarão abaixo do normal na região norte do Estado.

Conforme dados do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), será um mês de temperaturas acima da média devido a permanência de massas de ar seco e quente. As condições do tempo devem favorecer a ocorrência de queimadas e incêndios florestais.

A coordenadora do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e Clima), Valesca Fernandes, reforça que as temperaturas médias para o mês de setembro, ficarão acima do normal, principalmente na região norte da região pantaneira. Enquanto a região norte será afetada pelo calor, as condições serão diferentes na região sul. O Centro aponta que haverá chuvas acima do normal no sul de MS.

“Segundo os modelos do Inmet, as chuvas devem ficar abaixo (20-60mm) da normal na porção norte do estado, exceto no sul do estado que há probabilidade de ficar acima  (100-130 mm) da normal”, destaca Fernandes.

Contudo, as chuvas devem chegar com mais intensidade a partir da segunda semana do mês. Conforme o Cemtec, para a primeira semana de setembro há probabilidade de chuva fraca com acumulados de chuva de até 10 mm para a porção extremo sul da região sudoeste devido a atuação de frente fria.

“Uma segunda frente fria no período entre 7 a 15 de setembro pode trazer chuva mais abrangente, com acumulados que podem variar de 5-20mm na maior parte do estado”, informou.

Compartilhar:

Depois da chuva no fim de semana, calor e tempo seco voltam a MS nesta segunda-feira

A chuva foi muito esperada e fez a alegria dos sul-mato-grossenses no fim de semana, trazendo um alívio nas temperaturas e no tempo seco. Contudo, o calor retorna a Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira (30), com máxima de 36ºC. Ao longo da semana, as temperaturas chegarão a 40ºC.

A previsão para esta segunda (30) é de sol com poucas nuvens em todo o Estado. As temperaturas começam a aumentar e o índice de umidade relativa do ar começa a cair.

O Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e Clima) informa que, até quinta (2), não há chance de mais chuvas e o calor chega a 40ºC na região pantaneira. Segundo o Centro, os níveis de umidade relativa do ar podem chegar a 10%, principalmente nas regiões pantaneira, centro-norte e leste.

Para esta segunda-feira (30), a previsão é de sol com poucas nuvens em Campo Grande. As temperaturas chegam a 31ºC, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Em Corumbá, a máxima será de 36ºC. Já em Coxim, as temperaturas chegam a 33ºC. Em Dourados, a máxima será de 29ºC, enquanto em Três Lagoas será de 28ºC.

Compartilhar:

Queimadas se espalham pelo Paraguai e já atingem fronteira de MS

Com mais de 90 focos de incêndios registrados pelo Corpo de Bombeiros, as queimadas no Paraguai já se espalham pelos departamentos e começam a afetar regiões de fronteiras com o Brasil, como acontece em Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.

Conforme levantamentos das corporações dos dois países, nesta semana, duas áreas rurais significativas pegaram fogo em Pedro Juan. Com isso, equipes de voluntários da cidade paraguaia ainda trabalham no combate às chamas no Parque Nacional Cerro Corá, um local histórico, mas que anualmente sofre com os incêndios, destruindo boa parte da sua mata nativa.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros de Pedro Juan Caballero, o incêndio que começou por volta do meio-dia de quarta-feira (18) e só foi controlado no dia seguinte, consumiu mais de 8 hectares do Parque Nacional de Cerro Corá no Paraguai, localizado a 35 quilômetros da fronteira de Pedro Juan Caballero com Ponta Porã.

As chamas consumiram árvores antigas e coqueiros, além de ter matado vários animais. Este foi o terceiro incêndio dentro do parque, somente este ano. O primeiro caso ocorreu em maio. As autoridades paraguaias disseram que uma faísca provocada por um carro estragado teria provocado o incêndio.

Por outro lado, práticas irresponsáveis nas áreas urbanas dos dois lados da fronteira, com queimadas de resíduos em terrenos baldios, aliado ao clima seco, têm preocupado as autoridades ligadas ao combate a incêndios nos dois países.

Em Ponta Porã, na noite de ontem quinta-feira (19), um incêndio assustou moradores da região da vila Áurea. O Corpo de Bombeiros local foi acionado, mas não conseguiu conter as chamas que atingiram grandes proporções.

Compartilhar:

Naviraí-PMA recolhe filhote de macaco-prego cuja mãe fora morta por atropelamento

Policiais Militares Ambientais de Naviraí receberam, ontem  (02) pela manhã, de uma motorista de 55 anos, residente em Naviraí, um filhote de animal silvestre da espécie conhecida como macaco-prego. Segundo a mulher, o animal foi resgatado à margem da rodovia MS-141, próximo ao corpo da mãe, que havia sido atropelada e ido a óbito no local.

Apresentando ferimentos nas pernas, o filhote de aproximadamente 30 dias de vida foi encaminhado para atendimento médico veterinário e, posteriormente, será encaminhado à fazenda Green Farm CO2 Free, em Itaquiraí, para a possível reintrodução na natureza.

ORIENTAÇÃO SOBRE ATROPELAMENTO DE ANIMAIS

A PMA orienta as pessoas que sigam o exemplo do motorista que socorreu o filhote. Mesmo que ela tivesse atropelado, a atitude de socorro seria a correta, até porque não existe crime ao atropelar um animal sem intenção. No caso, o procedimento correto é parar o veículo em local seguro e, com segurança, verificar se o animal está morto. Se não estiver, efetue o socorro, porque toda vida tem um propósito e vale a pena ser preservada. Se ele estiver morto e estiver na pista de rolamento, retire-o com segurança para o acostamento ou até para longe, onde não possa ser visto, para evitar que curiosos parem no acostamento para vê-lo e aumente o risco de acidentes.

Essa atitude pode evitar que outro usuário da rodovia possa vir a se acidentar e, às vezes, até matar a si e sua família, em novo possível acidente que esta atitude simples pode evitar. Jamais fazer o que o motorista que o atropelou fez, abandonando, inclusive, o filhote que poderia morrer de fome.

 

Compartilhar:
×