Explosão em fábrica de plástico deixa ao menos um morto e 27 feridos na Tailândia

Uma grande explosão em uma fábrica nos arredores de Bangkok matou ao menos uma pessoa e feriu outras 27, nesta segunda-feira (5), na Tailândia. O impacto danificou janelas e outras estruturas próximas, sacudiu um terminal do aeroporto da capital e levou à evacuação de residentes da área, disseram autoridades.

O incêndio começou por volta das 3 da manhã (horário local, noite de domingo em Brasília) em uma fábrica de plástico perto do aeroporto de Suvarnabhumi. Uma densa cortina de fumaça preta subiu acima da fábrica em chamas e podia ser vista a 35 km de distância. A causa da explosão é ainda desconhecida. “Temos 27 feridos, a maioria devido aos cortes, e um falecido, que era bombeiro”, disse Somsak Kaewsena, chefe do distrito de Bang Pli, onde se encontra a fábrica taiwanesa Ming Dih Chemical Co..

Imagens publicadas pela mídia tailandesa mostraram bombeiros escalando destroços de aço retorcido para colocar mangueiras perto o suficiente das chamas enquanto lutavam para controlar o fogo. Outras fotos mostraram casas próximas com as janelas quebradas e destroços nas ruas, com fumaça negra subindo sobre a área mesmo horas depois.

Autoridades ordenaram a evacuação da área ao redor do incêndio por medo que o vazamento de produtos químicos causasse mais explosões. Abrigos foram instalados em uma escola e em um escritório do governo para os que foram forçados a deixar suas casas. “Não sabemos se ainda há algo que possa explodir”, disse Kaewsena, acrescentando que as autoridades ainda trabalham para controlar o fogo.

Um trabalhador de resgate voluntário disse à TV pública que estava tendo dificuldade para encontrar pessoas que possivelmente ainda estavam na fábrica. “Estamos tentando procurá-los”, disse. “Mas as chamas são bastante altas, então é preciso muito esforço.” Ele afirmou que equipes de resgate também estavam se espalhando pela área para ajudar os feridos, que estão sendo levados a um hospital próximo para tratamento. Das 11 vítimas relatadas até o momento, uma está em estado grave

Os bombeiros usaram helicópteros para despejar água em áreas de difícil acesso no grande complexo. No meio da manhã, o incêndio principal na fábrica Ming Dih Chemical foi controlado, mas um enorme tanque contendo monômero de estireno continuava a queimar, disse o oficial local de prevenção de desastres. Não houve nenhuma posição imediata sobre o que poderia ter causado a explosão, e a empresa responsável pela fábrica não respondeu a chamados por telefone.

O monômero de estireno é um produto químico líquido perigoso usado na produção de pratos descartáveis, copos e outros produtos, e pode produzir gás venenoso quando inflamado.

A mídia local informou que a explosão inicial sacudiu o edifício do terminal em Suvarnabhumi, disparando alarmes no principal aeroporto internacional de Bangkok. Autoridades do aeroporto disseram que nenhum voo foi cancelado, mas não deram outros detalhes imediatos. (Fonte: Associated Press).

Compartilhar:

Criador do antivírus McAfee é encontrado morto na prisão

Um dos mais controversos personagens do mundo da tecnologia está morto. O pioneiro dos programas de antivírus John McAfee foi encontrado sem vida ontem, em uma prisão em Barcelona, na Espanha – a informação foi confirmada pelo Departamento de Justiça catalão.

As autoridades espanholas acreditam que o empresário, de 75 anos, se matou após a decisão judicial da última segunda-feira, 21, que autorizava a extradição de McAfee para os EUA, onde iria cumprir pena pelo crime de evasão fiscal. Segundo as autoridades, McAfee foi encontrado enforcado. Uma autópsia está em andamento para confirmar a causa do óbito.

Prisão

Procurado pela Interpol com código vermelho (o mais alto da polícia internacional), McAfee foi preso em outubro de 2020 quando estava prestes a embarcar em um voo para Istambul com um passaporte britânico. As forças policiais haviam encontrado o empresário depois que ele publicou uma foto nas redes sociais que teria denunciado sua localização.

Autoridades dos EUA afirmam que McAfee sonegou impostos e não informou ganhos de milhões de dólares por meio da promoção de criptomoedas, trabalho de consultoria e venda de direitos sobre a história de sua vida para um documentário. O órgão de regulação do mercado de capitais dos Estados Unidos, a SEC, o acusa de ter levantado US$ 23,1 milhões com recomendações enganosas sobre criptomoedas.

Em entrevista ao jornal espanhol El Diario, McAfee havia descrito sua rotina na penitenciária em Barcelona: “A vida nas prisões espanholas é como o (hotel) Hilton comparada ao surrealismo abjeto e à desumanização das americanas. Aqui eles me tratam como um ser humano.” (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhar:

Usina Nuclear na China apresenta risco de vazamento radiológico

A atividade incomum em um reator de energia nuclear na China chamou a atenção internacional, após duas empresas francesas admitirem problemas, mas assegurarem que eles serão tratados com segurança. Inaugurada há dois anos, a Usina Nuclear de Taishan, na Província de Guangdong, está sob vigilância por um problema no circuito de um de seus reatores do tipo EPR, construído em parceria com a EDF, principal concessionária de energia da França.

Em comunicado, a empresa, coproprietária da usina, disse que certos gases nobres se acumularam na água e no vapor ao redor das barras de combustível de urânio, no coração do reator. No entanto, a direção garante ter procedimentos para lidar com esse acúmulo de gases, descrito como um “fenômeno conhecido”.

Framatome, uma afiliada da EDF e construtora dos reatores, disse que houve um problema de desempenho, mas a instalação estava operando dentro de seus parâmetros de segurança. Na China, a usina garantiu, na noite de domingo, 13, que nenhum vazamento no meio ambiente foi detectado. No entanto, a TV americana CNN disse ontem que a Framatome havia procurado ajuda dos EUA, citando uma “ameaça radiológica iminente” na central nuclear de Taishan.

A emissão dos chamados gases nobres – xenônio ou argônio, que são gerados durante a fissão nuclear -, detectada no circuito primário do reator, seria causada por uma degradação do revestimento de alguns elementos físseis, explicou a EDF, sem especificar quantos desses elementos foram afetados.

Um reator do tipo EPR contém 241 conjuntos físseis, cada um consistindo de 265 hastes. “O circuito é projetado para que (os gases) sejam coletados e tratados”, disse a empresa. “A presença de determinados gases nobres no circuito primário é um fenômeno conhecido, estudado e previsto pelos procedimentos operacionais dos reatores.”

“Deve haver bainhas metálicas (das hastes) vazando, deixando passar gases nobres que contaminam o fluido primário”, declarou a vice-diretora-geral do Instituto Francês para Proteção contra Radiação e Segurança Nuclear, Karine Herviou, à agência France Presse. “Dito isso, a contaminação do fluido primário não significa liberação para o meio ambiente”, ressaltou, explicando que há duas barreiras de contenção. “Não sabemos os valores, a concentração, não sabemos a extensão do fenômeno. Não há grande preocupação, por enquanto, levando em conta o que sabemos.”

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), com sede em Viena, declarou que, nesta fase, não há nenhuma indicação de que tenha ocorrido um incidente radiológico.

Os dois reatores de Taishan são até agora os únicos EPRs em serviço no mundo. Outros desses reatores de terceira geração estão em construção na Finlândia, na França e no Reino Unido. A China tem cerca de 50 reatores em operação e é o terceiro país com mais reatores, atrás de EUA e França.

Segundo a CNN, a Framatome teria entrado em contato com os EUA para solicitar autorização de assistência técnica para resolver uma ameaça radiológica iminente. Não se sabe por que o aval americano é necessário para intervir. Ainda de acordo com a TV, as autoridades de segurança chinesas também aumentaram os limites aceitáveis de radiação fora do local para evitar o desligamento da usina.

Já a operadora da central, China General Nuclear Power Group – estatal proprietária de 70% da planta de Taishan -, divulgou um comunicado assegurando que os indicadores ambientais da usina estavam normais. (Com agências internacionais).

Compartilhar:

Biden e Otan descrevem Rússia como ameaça e definem China como desafio

A pressão do governo dos EUA sobre a China recebeu um reforço nesta segunda-feira (14), quando os 30 países que compõem a Otan declararam o crescimento do poder militar chinês como um “desafio” à segurança ocidental. No comunicado, divulgado após o encontro do grupo, em Bruxelas, a aliança atlântica subiu o tom sobre os riscos que representam as ambições militares de Pequim.

A Otan, formada na Guerra Fria, continua a ver no que descreve como “ações agressivas da Rússia” uma ameaça à “segurança atlântica”. O tom mais agressivo sobre a China, porém, foi a maior novidade da cúpula, a primeira com a presença de Joe Biden como presidente dos EUA. Nela, os aliados demonstraram preocupação com a “influência crescente” e com os “investimentos” militares chineses.

“As ambições declaradas e o comportamento assertivo da China apresentam desafios sistêmicos à ordem internacional baseada em regras e às áreas relevantes para a segurança da aliança atlântica”, afirmaram os países da Otan no comunicado divulgado após o encontro.

Os países-membros destacaram ainda o crescimento do arsenal nuclear da China e o fato de Pequim tratar de maneira “opaca” sua modernização militar, além de mencionar a cooperação entre chineses e russos. O orçamento militar da China é o segundo maior do mundo, atrás apenas do americano, mas tem crescido a um ritmo acelerado.

Antes de viajar ao Reino Unido e à Bélgica, onde se reuniu nos últimos dias com os líderes do G-7 e da Otan, Biden deixou claro que buscaria apoio entre velhos aliados para as cobranças feitas pela Casa Branca a Moscou e a Pequim. O democrata faz questão de demonstrar que o grupo de países ricos é capaz de oferecer respostas econômicas, políticas e militares para vencer o que classifica como uma batalha entre democracia e autoritarismo.

Às margens do encontro, Biden aproveitou para agradecer aos líderes de Estônia, Letônia e Lituânia por barrarem a entrada da chinesa Huawei no mercado de tecnologia 5G, uma cruzada empreendida pelos americanos ao redor do mundo sob o argumento de defesa da segurança nacional.

Em um aceno à diplomacia, no entanto, os integrantes da Otan disseram que pretendem continuar a trabalhar com a China e não classificaram o país como uma ameaça, termo usado para tratar da Rússia.

Biden também conversou com aliados sobre o encontro que terá na quinta-feira, em Genebra, com o presidente russo, Vladimir Putin Questionado por jornalistas, ele disse que não divulgaria a estratégia para a reunião. “O que vou transmitir ao presidente Putin é que não estou procurando um conflito com a Rússia, mas que responderemos se o país continuar com suas atividades ameaçadoras”, afirmou. “Não deixaremos de defender a aliança atlântica ou de defender os valores democráticos.”

Biden, diferentemente de seu antecessor, Donald Trump, demonstra apreço pela Otan e disse que a aliança é “inabalável”. “É um compromisso sagrado”, afirmou. Em seu governo, Trump reclamou dos custos da Otan e queixou-se que os europeus não pagavam suficiente para manter a organização.

Apesar de Biden ter tentado demonstrar unidade, nem todo mundo da Otan concorda com a pressão sobre a China. Alguns países, como a Hungria, têm relações fortes com Pequim e buscam investimentos chineses. Outros, como a Alemanha, ficam no meio do caminho, entre a necessidade de trabalhar com a China no combate às mudanças climáticas e o dever de controlar suas ambições globais. Outros acreditam que o foco excessivo na China desvia a atenção da missão central da aliança contra a Rússia.

Compartilhar:

Parlamento israelense aprova nova coalizão; Netanyahu deixa de ser premiê

A aliança de Naftali Bennett e Yair Lapid encerra o período de 12 anos de Netanyahu no poder

O Knesset, parlamento israelense, deu um voto de confiança neste domingo (13.jun.2021) a uma nova coalizão de governo e derrubou o atual premiê Benjamin Netanyahu do cargo, depois de 12 anos consecutivos.

A aliança formada pelo direitista Naftali Bennett, chefe do bloco Yamina, e Yair Lapid, líder do partido centrista Yesh Atid, conta com 8 partidos de diferentes espectros ideológicos.

Como parte do acordo, Bennett e Lapid concordaram em dividir o poder de forma rotativa. Primeiro, Naftali Bennett irá assumir como primeiro-ministro e ficará no cargo até metade do mandato de 4 anos. No tempo restante, Yair Lapid atuará como premiê. Foram 60 votos a favor e 59 contra, a menor maioria possível para a formação de um novo governo.

“Estou orgulhoso de poder sentar junto com pessoas com pontos de vista muito diferentes dos meus”, disse Bennett em discurso ao parlamento.

A nova coalizão conta com o apoio do partido árabe Ra’am marcando, a 1ª vez que o governo israelense terá um partido árabe no poder.

Naftali Bennett prometeu que a aliança “representa todo Israel” e afirmou que o governo abriria um novo capítulo na relação entre o Estado e os cidadãos árabes de Israel.

 

 

A decisão deste domingo põe fim ao impasse político que fez com que Israel tivesse 4 eleições em 2 anos. Benjamin Netanyahu agora será líder da oposição e ainda terá um papel expressivo na política israelense.

Seu partido, o Likud, foi o que obteve o maior número de cadeiras no parlamento nas últimas eleições, com 30 assentos. Apesar de ter conquistado o maior número de cadeiras, Benjamin Netanyahu falhou em formar um acordo de coalizão. Para ser primeiro-ministro, é necessário ter a maioria das 120 cadeiras do Knesset.

Netanyahu permaneceu por 12 anos consecutivos no cargo de primeiro-ministro. Ele enfrenta acusações de corrupção na justiça, e pode ser condenado a até 10 anos de prisão. No entanto, nega as acusações e sustenta que há uma “caça às bruxas” para persegui-lo.

Benjamin Netanyahu disse que continuará a defender os interesses de Israel. “Eu os liderarei em uma batalha diária contra este governo de esquerda ruim e perigoso, e o derrubarei. E, com a ajuda de Deus, isso vai acontecer mais rápido do que se pensa”, afirmou.

Apesar do tom, Netanyahu apertou a mão de Naftali Bennett ao final da votação. Ele também tem defendido uma transição pacífica de poder.

Compartilhar:

Colisão entre trens no Paquistão deixa 30 mortos e mais de 100 feridos

Uma colisão entre dois trens no sul do Paquistão deixou pelo menos 30 mortos e mais de 100 feridos nesta segunda-feira, 7. Cerca de 20 pessoas ainda estavam presas nos destroços no início da madrugada desta segunda, pelo horário de Brasília. De acordo com funcionários da ferrovia, cerca de 1.100 passageiros estavam a bordo das duas composições. As autoridades do Paquistão já ordenaram a abertura de investigação sobre o ocorrido. Fonte: Associated Press.

Compartilhar:

Baixa procura põe em risco meta de vacinação projetada por Biden nos EUA

70% adultos vacinados até julho

Média de 1 milhão doses por dia

Em abril, pico de 3,4 mi vacinados

O plano do presidente norte-americano Joe Biden de vacinar 70% da população adulta dos EUA com ao menos uma dose de vacina contra a covid-19 até 4 de julho, Dia da Independência do país, fica cada vez mais longe de se tornar realidade por conta da queda na procura pela vacinação. As informações são do jornal The Washington Post.

Segundo informações do jornal, o país tem em média 1 milhão de doses aplicadas por dia, um declínio de mais de dois terços no comparativo com o pico de 3,4 milhões de doses diárias atingido em abril.

De acordo com a reportagem, 13 Estados já vacinaram cerca de 70% da população adulta. Outros 15 Estados estão acima de 60% e provavelmente atingirão a meta de Biden.

Entretanto, o restante está ficando para trás. Tennessee e 5 outros Estados estão com 50% ou menos da população vacinada, o que torna improvável atingir a meta do presidente.

 

 

A desaceleração resultou em diversas campanhas  para incentivar a imunização contra a covid-19.

A cidade de Nova York, por exemplo, distribuiu batatas fritas de graça em restaurantes Shake Shack, uma rede de fast food que foi criada na cidade, para quem apresentava a comprovação da vacina.

Possível influência na desaceleração

Em 13 de abril, O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) e a FDA (Food and Drug Administration, autoridade sanitária dos EUA) decidiram suspender a aplicação da vacina da Janssen (braço farmacêutico da Johnson & Johnson) nos Estados Unidos.

O motivo é uma reação adversa rara em que a pessoa desenvolve coágulos de sangue. As agências afirmaram que foram registrados 6 casos no país.

Ainda de acordo com o texto, os EUA já teriam alcançado todos os chamados “frutos baixos”, pessoas que estavam completamente dispostas a se vacinarem. A partir daí, a batalha de convencimento é mais complicada: uma pesquisa realizada no país mostra que ao menos 1/3 dos norte-americanos não pretende se imunizar.

Compartilhar:

Facebook e Instagram decidem suspender Trump até janeiro de 2023

Citam “grave violação de regras”

Comitê de Supervisão pediu decisão

Nova análise será feita após 2 anos

O Facebook anunciou nesta 6ª feira (4.jun.2021) que o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump permanecerá suspenso da rede social até janeiro de 2023. A decisão vale também para o Instagram.

O republicano foi banido das plataformas em 7 de janeiro deste ano, depois de incentivar protestos que culminaram na invasão do Capitólio (Congresso norte-americano) enquanto o Senado fazia a contagem de votos para certificar a vitória do candidato Joe Biden nas eleições presidenciais realizadas em 3 de novembro.

A suspensão foi acatada pelo Facebook depois de recomendação do seu Conselho de Supervisão para que o tempo de afastamento fosse definido.

“Estamos hoje anunciando novas regras a serem aplicados em casos excepcionais, como este. Estamos confirmando a penalidade com limite de tempo consistente com os protocolos que estamos aplicando às contas do sr. Trump”, diz comunicado.

 

 

A suspensão de 2 anos aplicada ao ex-presidente é a maior penalidade prevista nas novas regras de uso da rede social.

Depois do período de suspensão, uma nova análise será feita para “avaliar se o risco à segurança pública diminuiu”. Caso especialistas da rede social recomendem, o período poderá ser prorrogado.

Além do Facebook e do Instagram, pelo menos 10 redes sociais fizeram restrições a Trump: Twitter, Google, Snapchat, Shopfy, Reddit, Twitch, YouTube, TikTok, Discord e Pinterest.

Compartilhar:

‘Escultura imaterial’ é vendida por mais de R$ 90 mil na Itália

Obra é do artista Salvatore Garau

‘Vazio é espaço cheio de energia’

Mede 1,5 m x 1,5 m, diz galeria

Inclui certificado de autenticidade

A escultura invisível e imaterial “Io Sono” (“Eu Sou”, em italiano), do artista Salvatore Garau, alcançou o preço de € 14.820 –equivalente a R$ 91,3 mil– quando foi vendida em um leilão na Itália.

A peça foi negociada no evento 4-U new Arte Contemporanea, em 18 de maio, realizado pela casa de leilões de arte Art-Rite. O lance inicial era de € 6.000 a € 9.000. Na página da galeria, a obra aparece representada como um espaço em branco no catalogo de itens à venda.

O objeto de arte consiste, basicamente, em um espaço vazio delimitado pelo artista –em dimensões de 1,5 m x 1,5 m, segundo a Art-Rite, embora com a observação “dimensões variáveis”. A instituição indica ainda que ela deve ser instalada em um recinto “livre de qualquer estorvo”.

Registro de ‘Io Sono’, com descrição e dimensões (em italiano)Reprodução

A venda inclui um certificado de autenticidade assinado por Salvatore, assegurando ao comprador a posse da obra.

Em entrevista à casa de leilões (leia aqui, em italiano), Salvatore Garau diz que “esculturas intangíveis são obras que sinto físicas” o que o vazio é um “espaço cheio de energia”. Segundo ele, “no vazio existe um contêiner de possibilidades positivas e negativas que se equivalem constantemente, enfim, existe uma densidade de eventos […] Nós não enxergamos as milhares de informações que nos cercam e alimentam nossos telefones celulares. Não moldamos um Deus que nunca vimos?”

O artista também afirma fazer um trabalho fundamentalmente diferente da arte comercializada por NFTs –non-fungible tokens, arquivos criptografados que atribuem a um comprador a posse de uma peça de arte digital. De acordo com Salvatore, as esculturas intangíveis são “únicas, invisíveis e irreproduzíveis”. Também diz que, por não usarem tecnologia, as suas obras têm “impacto ambiental zero”.

Compartilhar:

EUA vão compartilhar 19 mi de doses de vacinas por meio do Covax Facility

Para América Latina, Ásia e África

Brasil deve receber parte do lote

Outros 6 mi serão doações diretas

O governo dos Estados Unidos anunciou que irá compartilhar 75% das doses de vacinas contra a covid-19 que prometeu doar por meio do Covax Facility. O anúncio foi feito em nota divulgada pela Casa Branca nesta 5ª feira (3.jun.2021).

O Covax é uma aliança da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o acesso igualitário à vacina, e outros parceiros para a distribuição das vacinas. Segundo a nota do governo norte-americano, cerca de 19 milhões de doses serão distribuídas entre a América Latina e o Caribe, o Sul e o Sudeste da Ásia e a África.

O Brasil deve receber doses com o grupo da América Latina e Caribe, mas não foi informado o quanto será. Em carta, o Fórum dos Governadores pediuao menos 10 milhões de doses” das vacinas que serão doadas.

Os outros 25% das doses, cerca de 6 milhões, serão doações diretas para países escolhidos pelo governo norte-americano. “As doses restantes serão compartilhadas diretamente com países que estão passando por surtos, aqueles em crise e outros parceiros e vizinhos, incluindo Canadá, México, Índia e República da Coréia“, diz a nota.

 

 

A iniciativa norte-americana foi ironizada pelo embaixador da China no Brasil por meio do Twitter. O diplomata mencionou que os Estados Unidos destinariam 6 milhões de doses de vacinas para 14 países da América Latina, o que resultaria na vacinação de 3 milhões de pessoas. “Somados, os países citados têm mais de 438 milhões de pessoas.”

Os Estados Unidos também afirmam que doaram US$ 4 bilhões para ajudar o Covax Facility. A nota também reforça que o presidente Joe Biden irá pedir que outros países democráticos colaborem com a democratização das vacinas, incluindo por meio do G7.

Ainda conforme o texto, o país quer urgência nas campanhas de vacinação de outras nações. “Enquanto essa pandemia se alastrar em qualquer parte do mundo, o povo norte-americano ainda estará vulnerável.

Biden já tinha indicado que pediria que outros países apoiassem a vacinação mundial em 17 de maio. Na ocasião, anunciou que os Estados Unidos iriam doar 80 milhões de doses de imunizantes contra a covid-19.

Cerca de 60 milhões serão da vacina da AstraZeneca e os outros 20 milhões vão incluir lotes da Pfizer, da Moderna e da Janssen (braço farmacêutico da Johnson & Johnson). A meta é que o total seja doado até julho deste ano.

Compartilhar:
×